quarta-feira, abril 19, 2006

Churrasco da discórdia

A historinha aí em cima começa há uns 5, 6 anos atrás. Mas vai rapidinho, eu prometo. Lá vai: quem me conhece sabe que eu me formei em Comunicação Social. E que, tirando o primeiro ano, nunca fui muito empolgada com o curso. E que no sétimo período eu descobri que queria fazer Belas Artes e quase larguei a Comunicação, mas aí já é outra história. E que a minha turma nunca foi, exatamente, uma "turma". Com exceção de uma panelinha de umas 20 pessoas, que (acredito) já se conheciam antes de entrar na faculdade. Parte desse pessoal acabou formando a Comissão de Formatura, ficando responsável por festas, arrecadação de grana e afins. Não posso negar que foram muito competentes nesse quesito, o que não impediu de rolarem uns quebra-paus vez ou outra. Sei que eles ainda continuam fazendo encontros toda primeira quinta-feira do mês, mas nunca fui em nenhum deles. Enfim, deu pra sacar que não me sinto parte dessa patota (e para não dizerem que a implicante sou eu, informo que outras pessoas também brigaram com a comissão. Ou talvez eu que seja chata mesmo, mas ah, foda-se).

Há um mês atrás, a minha ex-turma soltou na lista de discussão eletrônica que pretendia fazer um churrasco para comemorar 1 ano de formatura, com o dinheiro que havia sobrado da Comissão. Não sei quanto sobrou por pessoa, sequer sabia que tinha sobrado grana. Mas como não estou nem um pouco a fim de participar da festa (porque eu só poderia levar um acompanhante - senão eu levaria uma pá de gente e pronto, resolvia meu problema de ficar num canto sozinha enchendo a cara de Brahma) perguntei, candidamente, se tinha como eu receber minha parte em espécie. Eu não exigi que devolvessem meu dinheiro, apenas perguntei se havia essa possibilidade. Mais dois colegas se juntaram a mim. Até aí, beleza.

O mais engraçado veio depois: primeiro, um dos meninos da comissão me escreveu falando que não sabia o que fazer no meu caso, já que eles não pensaram na possibilidade de alguém não querer participar da festa. De duas, uma: ou eles esperavam comer e beber com o dinheiro de quem não fosse, ou eles realmente acreditaram que estaria todo mundo doidinho pra participar do churrasco-ultra-legal-cheio-de-pessoas-descoladas.

Segundo, chegou na lista o email de uma das meninas da sala. Ela, que estava gastando 120 reais só com passagens para participar do rega-bofe, estava revoltadíssima com as pessoas que não queriam ir e ainda pediam sua parte do dinheiro de volta. Falou que foi muita mesquinharia e indelicadeza de nossa parte, já que a comissão está preparando tudo com o maior amor e carinho, que 45 reais eram mixaria e não fariam parte no orçamento de ninguém e que na opinião dela deveríamos enfiar a viola no saco e esquecer o assunto. Daí veio uma mensagem furiosa de um dos rapazes que queria a grana de volta, criticando violentamente o e-mail anterior. Concordei totalmente: que "espirito de turma" é esse, que quer gastar minha grana numa festa que não escolhi fazer, e da qual não participarei? E também consigo pensar em outros usos para essa "fortuna" (material de desenho, por exemplo, que custa caro pra cacete).

Well, vamos ver no que isso vai dar. Aguardem o segundo round.

2 comentários:

Tio Xavier disse...

Paciência. Perdido por perdido, vá lá (se não for longe) e beba tudo. :)

Ana Paula disse...

Faça-me o favor, eles tem obrigação de devolver seu dinheiro. A minha comissão me devolveu 100 pratas e ai se me dissessem não... (mas como eu já li o final da história, rs).