sexta-feira, setembro 29, 2006

E por falar na Surfistinha...

Notícia aqui.

Já não basta o primeiro, teremos que aguentar a segunda parte da tragédia? Será que ela pretende lançar uma trilogia? Queira Deus que não.

PS: reforçando, não tenho nada contra putaria BEM ESCRITA (estão aí "A História de O", "A vida sexual de Catherine M", "A casa dos Budas Ditosos" e Anäis Nin para confirmar o que eu digo). Mas tenho tudo contra uma pessoa que não sabe escrever bem e aí faz marketing pessoal de "ex-puta de luxo" para vender sua mercadoria.

PS2: agradecimentos ao Michel e seu blog, o Poeira de Rua, pela informação.

4 comentários:

Menina Crescida disse...

E vc já viu a bagacinha? Olha lá no meu blog e veja a fotinha dela uns dois posts pra trás, no prêmio da MTV (no qual Cicarelli mandou todo mundo tomar conta de suas vidas). Puta de luxo, ela pode até ter sido, mas que ela agora tá rechonchuda, rs...
E vamos falar sério: ela não sabe escrever sacanagem, os exemplos que vc citou são muuuuito melhores... nem se compara...

Gabriela Iscariotes disse...

Ih, eu acabei de ver lá. Sei que é maldoso dizer isso, mas fica parecendo que ela tá com inveja da Cicarelli (que tem um corpão, muita grana, um namorado bem mais gostoso e tá dando a volta por cima).

Ligando meu "modo comentário racional", eu digo que não me importo se ela é gorda, magra, feia, bunduda, magrela, o que for, desde que ela escrevesse bem. O que não é o caso.

Agora vou esperar ela passar por aqui pra dizer que eu tô com inveja, pois é isso que ela diz de todo mundo que fala mal dela...

farofa disse...

Também não acho a Surfistinha grandes coisas não... Maior cara de empregada doméstica remixada com um sapo, seios pequenos, não sei como o pessoal pagava três digitos pra comer aquilo!!! Já comi putas de 20 reais que dá de 1000 x 0 nela! Mas é lógico, não é fácil encontrar essas deusas meretrizes por esse preço...
Quanto ao livro, baixei e não achei nada demais, apesar de ter umas partes bacanas(se vc for homem).

Rafael/Nigel. disse...

História de O, bem lembrado.

Segundo Jean Paulhan, uma das poucas vezes que literatura erótica consegue ser escrita sem parecer pornografia de açougueiro.

Não gostei do final alternativo...

Sir Stephen a podia ter doado, ou transferido a outro Sr.