quarta-feira, dezembro 14, 2005

Burradas da dona Conrad

Desenferrujando o blog: essa semana li a edição 45 do mangá One Piece, excelente como sempre (especialmente com a conclusão do arco de Alabasta). Mas é triste constatar que a Conrad continua lidando com seus mangás de modo tão amador: cortaram nada menos que 7 páginas (de um total de 20) do último capítulo da edição.

Não me lembro em que edição exatamente esse péssimo hábito começou, mas desde então fiquei pensando no porque disso. Chegaram a falar no Orkut que seria uma tentativa de "padronizar" as edições, de modo que todas tivessem o mesmo número de páginas. Besteira: o mangá tem vários extras (Sessão de Perguntas e Galeria de Desenhos, joguinhos mandados pelos leitores...) que não tem número fixo de páginas para ocupar, e sobre a qual eles não tem controle. Além disso me parece uma imbecilidade muito grande dividir um tanko-hon japonês ao meio certinho. É muito porco e preguiçoso, mesmo para os padrões conradianos.

Acredito que a maior razão seja essa: "vamos criar um suspensezinho, que aí o leitor vai ter que comprar a próxima edição para saber o que aconteceu". O último capítulo da edição 21 parece confirmar essa teoria: nele, a personagem Nami entrega um papel ao médico da cidade e pede que ele tatue aquele desenho nela. Não é possível ver o que tem no papel. Cortaram aí. Na edição 22, na continuação do capítulo, o médico mostra o papel com o desenho para outras pessoas, e aí sim ele é mostrado ao leitor. Percebe-se que resolveram criar uma expectativa com "qual era a tatuagem que a Nami queria fazer". Mas para isso cortaram METADE do capítulo. Detalhe: eles mesmos já haviam colocado uma imagem da personagem já tatuada na edição 9, e ainda havia uma legenda explicando "tatuagem inspirada numa laranja e num moinho de vento" (informação relevante dentro do arco de história). Pra quem acompanha o mangá, bastou somar dois mais dois. Entenderam onde quero chegar? Os caras conseguem fazer um spoiler desgraçado 12 edições antes e depois tentam compensar tentando criar um suspense imbecil (que não funcionou, já que todo mundo já tinha visto a bendita tatuagem). Burrada, burrada, burrada.

Fico espantada com a pretensão dos caras da Conrad em querer "melhorar" uma coisa que está pronta, usando os meios ao alcance deles. Em se acharem mais competentes e capacitados que o próprio autor na narração da história. Me sinto lesada, não por achar que estou sendo "enganada" e que eles estão cortando páginas para economizar papel ou me darem menos "material" pelo mesmo preço: na edição seguinte as páginas estariam lá. Seria trocar seis por meia dúzia: pelo valor de duas edições nacionais eu tenho um tanko-hon japonês de qualquer jeito. Nada de mais aí.

O problema é a mutilação da obra. Numa história bem escrita, todos os capítulos são fechadinhos, redondinhos, mas contém ganchos para o próximo capítulo. Esses ganchos também estão presentes no final de uma página (exemplo óbvio: o final de uma página mostra a preparação do golpe de um personagem, e só na página seguinte vemos o golpe fazendo efeito). São esses ganchos que fazem o leitor querer virar a página e continuar lendo, e ajudam a manter o interesse dele na história, edição atrás de edição. No caso do corte da Conrad, como ele é artificial, dá pra sentir que está faltando coisa ali. A última página nunca parece conclusiva. É idiotice demais imaginar que uma idéia que funciona em 20 páginas vá funcionar em 16, ou em 12. Qualquer pessoa com o mínimo de conhecimento em narrativa sabe disso.

Esse é só um pequeno exemplo de como a Conrad trata o One Piece e seus demais mangás de forma bem "nas coxas". Como o post já está bem grandinho, vou continuar discutindo o assunto em outras postagens. Se preparem que vem bomba aí (sim, estou extremamente nervosa e tenho uma puta má vontade com eles).

6 comentários:

Farofa disse...

É por essas e outras que eu endosso os scans... Se pinta uma sacanagem dessas, paro, respiro e me lembro que só me custou 30 minutos de download, ao invés de 7, 10, 20 ou 60 reais!

kamen rider disse...

realmente é foda. outra coisa ruim é que acabaram com a sesão de cartas em todos os titulos, realmente a conrad ta deixando a desejar!

Senhor Lancaster disse...

É que vocês são tudo cuzão.

Eu mandava uma mensagem pro dono da Conrad, dizendo pra ele parar com essa merda.
Se ele não parasse, eu entrava com uma ação no Procon.

Mas vocês só sabem lamentar, lamentar, lamentar...

Por isso que os editores cagam na sua cabeça.
Eles sabem que vocês são frouxos.

Terão eles razão?

Gabriela Iscariotes disse...

O ruim do scan é ter que ler na tela do computador, ficar usando barra de rolagem, essas coisas. Quebra um galho no caso de gibis não publicados por aqui, mas acho que gibi foi feito pra ser folheado, pra chegar a cara perto e ver detalhezinhos, pra sentir o cheirinho do papel. Gibi na tela do PC não tem a mesma graça.

Gabriela Iscariotes disse...

Sessão de cartas eu acho meio que uma inutilidade. Se eles ainda escolhessem umas cartas legais ou com perguntas interessantes, vá lá. Mas elas não costumam passar de babação de ovo, de perguntas sobre o que ainda vai acontecer e de desenhos descaradamente copiados.

Mas se os leitores gostam, se acham bacana, não vejo porque não ter. Desde que não seja pra picotar mais ainda a quantidade de páginas, claro.

Gabriela Iscariotes disse...

É verdade, Seu Lancaster, confesso que sou bem bunda mole mesmo. Reclamo, reclamo, choro as pitangas, mas nem me digno a mandar um email pros caras reclamando.

Vou fazer isso já. Se responderem, coloco aqui.